O PROJECTO ANGOSAT

O ANGOSAT é um projecto de iniciativa presidencial, saído da resolução nº 2/06 de 11 de Janeiro, do Conselho de Ministros.

 

O projecto é resultado de um profundo estudo, feito pela Comissão Interministerial de Coordenação Geral do Projecto de Telecomunicações via Satélite de Apoio Multissectorial (CISAT), criada pelo Despacho Presidencial nº 21/06 de 21 de Junho, sobre a viabilidade da construção, lançamento e operação de um satélite angolano. O estudo, contou com o Consórcio russo, liderado pela empresa ROSOBONEXPORT, RSC Energia (construtora do satélite).

 

No ano de 2009, firmou-se o Contrato entre o Governo da República de Angola, representado pelo Ministério das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação (MTTI) e a Federação da Rússia, para a Construção, Lançamento e Operação do satélite Angosat-1.

 

O acordo de construção foi refeito entre as partes supracitadas em Luanda, no pretérito dia 23 de Abril de 2018, tendo arrancado no dia seguinte, em Mocovo, capital da Rússia, os trabalhos para a construção do Angosat-2 (a ser lançado em 2021), que corresponde a uma versão actualizada do satélite Angosat-1, para compensar o investimento feito na construção do Angosat-1, em órbita desde Dezembro de 2017, mas sem sinal, até à presente data.

 

ANGOSAT é a denominação de um projecto que é parte integrante do Programa Espacial Nacional (PEN), tendo como foco principal garantir a construção, lançamento e operação de satélites angolanos geoestacionários, que forneçam oportunidades de expansão dos serviços de comunicação via satélite (internet, rádio, telefonia e transmissão televisiva), por todo território nacional e proporcionem a  arrecadação de receitas. O Angosat-2 cobrirá toda a África e Parte da Europa.

 

No quadro da indústria espacial, o projecto encontra-se repartido pelos seguintes segmentos:

 

  • Segmento Espacial: Referente a construção de satélites para fins de telecomunicações. Neste momento está em fase de construção, o satélite  ANGOSAT-2;

 

  • Segmento Terrestre: Engloba a construção e apetrechamento do Centro de Controlo e Missão (do inglês MCC), expansão e modernização da rede Infrasat e criação de competências nacionais no domínio das tecnologias espaciais. 

O perímetro do Programa Espacial Nacional (PEN) ocupa uma área de 52.254m2. Nesta zona, foi construído de raíz um Centro de Controlo e Missão de Satélite, o mesmo ocupa uma área de 2.207m2 dos 6.617mda superfície já construída. Trata-se de um edifício de 3 pisos, 47 compartimentos totalmente apetrechados, dotado de sistema de detecção e combate à incêndios, sistema de intrusão (CCTV), sistema de gestão técnica centralizada (BMS) e sistema de extinção de monóxido de carbono.

O MCC é um centro que tecnologicamente representa um marco para Angola e a nível de África, também representa uma infraestrutura imponente no que concerne a actividade de exploração espacial. Foi projectado para funcionar de modo ininterrupto, ou seja, 24/24h e está equipado com sistemas de engenharias que possibilitam a recepção, processamento e o envio de informações para o satélite. Neste centro trabalham os 45 técnicos nacionais, que foram certificados   para operar satélites.

  • Segmento de Lançamento: Compreende as logísticas de lançamento, bem como o aluguer da posição orbital e atribuição das frequências de operação.